LEIA COM ORGULHO (6 livros que super recomendo) LGBTQIAP+

Companhia das Letras

Oi gente!

Eu nem ia postar mais nada essa semana, mas um acontecimento de hoje a tarde na Bienal do Rio 2019, me fez querer ir aqui desabafar e mostrar o que as editoras e youtubers falaram sobre o ocorrido, que por sinal foi preconceituoso e muito antiquado.

Diante da censura feita por Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro, ao quadrinho Vingadores: A Cruzada das Crianças e da fiscalização para identificar livros considerados “impróprios” na Bienal do Livro Rio, a editora de livros Companhia das Letras, Morro Branco, Editora Intrinseca, Galera Record, Editora Draco e tantas outras, se manifestam seu repúdio todo e qualquer ato de censura nas redes sciais, e se posicionam, mais uma vez, a favor da liberdade de expressão.
Diante da censura feita por Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro, ao quadrinho “Vingadores: A Cruzada das Crianças” e da fiscalização para identificar livros considerados “impróprios” na Bienal do Livro Rio, a Companhia das Letras manifesta seu repúdio a todo e qualquer ato de censura e se posiciona, mais uma vez, a favor da liberdade de expressão.“Ficamos orgulhosos com a posição da organização da Bienal do Rio em defesa da liberdade de expressão e da diversidade. Ela mostra com dignidade a vocação e vontade dos editores. Posturas como a do prefeito Marcelo Crivella e do governador João Doria – que recentemente mandou recolher uma apostila escolar que falava sobre diversidade sexual – tentam colocar a sociedade brasileira em tempos medievais, quando as pessoas não tinham a liberdade de expressar suas identidades. Eles desprezam valores fundamentais da sociedade e tentam impedir o acesso à informação séria, que habilita os jovens a entrar na fase adulta mais preparados para uma vida feliz. Essas medidas, mais a suspensão do edital que daria apoio a produção de filmes LGBTQ+ por parte do governo federal, indicam uma perigosa ascensão do clima de censura no país – flagrantemente inconstitucional – e que traz a marca de um indesejável sentimento de intolerância discriminatória”, diz Luiz Schwarcz, CEO e fundador da Companhia das Letras
Neste sábado (07/09), o influenciador Felipe Neto distribuirá gratuitamente 14 mil livros com autores e/ou personagens LGBT+  na Bienal do Livro, a partir de meio-dia. Entre os títulos disponíveis na ação, estão todos os exemplares disponíveis em nossa estante especialmente dedicada à diversidade sexual e de gênero.

Para quem me acompanha a algum tempo, sabe que sou bem eclética no que se diz gosto literário. Sou aquela que le Distopia, New Adult, Chick Lit e Suspense, e a grande maioria são livros que tem personagens Gays ou Lésbicas. Eu resenhei um livro chamado These Witches Don't Brun, que cita personagens Lésbicas, Bissexuais e Transsexuais de uma forma natural e sem muito exagero com os LGBTQIAP.  


LGBTQIAP+ é uma sigla que significa Lésbicas, Gays, Bi, Trans, Queer/Questionando, Intersexo, Assexuais/Arromântiques/Agênero, Pan/Poli, e mais

Livros:

Jonas não sabe muito bem o que fazer da vida. Entre suas leituras e ideias para livros anotadas em um caderninho de bolso, ele precisa dar conta de seus turnos no Rocket Café e ainda lidar com o conservadorismo de seus pais. Sua mãe alimenta a esperança de que ele volte a frequentar a igreja, e seu pai não faz muito por ele além de trazer problemas.
Mas é quando conhece Arthur, um belo garoto de barba ruiva, que Jonas passa a questionar por quanto tempo conseguirá viver sob as expectativas de seus pais, fingindo ser uma pessoa diferente de quem é de verdade. Buscando conforto em seus amigos (e na sua história sobre dois piratas bonitões que se parecem muito com ele e Arthur), Jonas entenderá o verdadeiro significado de família e amizade, e descobrirá o poder de uma boa história.
Em Com amor, Simon, Becky Albertalli conquistou o público jovem com sua narrativa sensível e apaixonante sobre um menino gay prestes a viver uma grande história de amor. Em E se fosse a gente?, ela se une ao escritor Adam Silvera para narrar o encontro de dois garotos que não poderiam estar em momentos mais diferentes da vida, mas que vão desafiar os poderes do universo para ficarem juntos.

De férias em Nova York, Arthur está determinado a viver uma aventura digna de um musical da Broadway antes de voltar para casa. Já Ben acabou de terminar seu primeiro relacionamento, e tudo o que mais quer é se livrar da caixa com todas as lembranças do ex-namorado.Quando eles se conhecem em uma agência dos correios, parece que o universo está mandando um recado claro. Bem, talvez não tão claro assim, já que os dois acabam tomando rumos diferentes sem ao menos saberem o nome ou telefone um do outro.Em meio a encontros e desencontros — sempre embalados por referências a musicais e à cultura pop ¬—, Ben e Arthur se perguntam: e se a vida não for como os musicais da Broadway e os dois não estiverem destinados a ficarem juntos? Mas e se estiverem? Aos poucos, eles percebem que às vezes as coisas não precisam ser perfeitas para darem certo e que os planos do universo podem ser mais surpreendentes do que eles imaginam.
 Em um verão tedioso, os jovens Aristóteles e Dante são unidos pelo acaso e, embora sejam completamente diferentes um do outro, iniciam uma amizade especial, do tipo que muda a vida das pessoas e dura para sempre. E é através dessa amizade que Ari e Dante vão descobrir mais sobre si mesmos - e sobre o tipo de pessoa que querem ser.Dante sabe nadar. Ari não. Dante é articulado e confiante. Ari tem dificuldade com as palavras e duvida de si mesmo. Dante é apaixonado por poesia e arte. Ari se perde em pensamentos sobre seu irmão mais velho, que está na prisão.Um garoto como Dante, com um jeito tão único de ver o mundo, deveria ser a última pessoa capaz de romper as barreiras que Ari construiu em volta de si. Mas quando os dois se conhecem, logo surge uma forte ligação. Eles compartilham livros, pensamentos, sonhos, risadas - e começam a redefinir seus próprios mundos. Assim, descobrem que o amor e a amizade talvez sejam a chave para desvendar os segredos do Universo.
 Simon Snow é um bruxo que estuda numa escola de magia na Inglaterra. Profecias dizem que ele é o Escolhido. Você pode até estar pensando que já conhece uma história parecida. O que você não sabe é que Simon Snow é o pior escolhido que alguém já escolheu. Poderosíssimo, mas desastroso a ponto de não conseguir controlar sequer sua própria varinha, Simon está tendo um ano difícil na Escola de Magia de Watford. Seu mentor o evita, sua namorada termina com ele e uma entidade sinistra ronda por aí usando seu rosto. Para piorar, seu antagonista e colega de quarto, Baz, está desaparecido, provavelmente maquinando algum plano insano a fim de derrotá-lo. ''Carry on'' é uma história de fantasma, de amor e de mistério. Tem todos os beijos e diálogos que se pode esperar de uma história de Rainbow Rowell, mas com muito, muito mais monstros.
 Livro que deu origem a filme estrelado por Nicole Kidman, Russel Crowe e Lucas Hedges
Em seu elogiado livro de estreia, Garrard Conley revisita as memórias do doloroso período em que participou de um programa de conversão que prometia “curá-lo” da sua homossexualidade. Garrard — filho de um pastor da igreja Batista, criado em uma cidadezinha conservadora no sul dos Estados Unidos — foi convencido pelos próprios pais a apagar uma parte de si. Em uma tentativa desesperada de agradá-los e de não ser expulso do convívio da família, ele quase se destruiu por completo, mas encontrou forças para buscar sua identidade e hoje é ativista contra as terapias de conversão.
Tocante e inspiradora, a história de Garrard é um acerto de contas com o passado, um panorama complexo das relações do autor com a família, com a fé e com a comunidade. O livro é o testemunho dos traumas e das consequências de se tentar aniquilar parte essencial de um ser humano.
 Hannah é uma bruxa, mas não é do tipo que você está pensando. Ela é o verdadeiro negócio, um Elemental com o poder de controlar fogo, terra, água e ar. Mas, embora viva em Salem, Massachusetts, sua magia é um segredo que ela deve guardar para si mesma. Se ela for pego usando-o na frente de um Reg (leia-se: não-bruxa), ela poderá perdê-lo. Para o bem. Então, Hannah passa a maior parte do tempo evitando a ex-namorada (e colega Bruxa Elemental) Veronica, saindo com sua melhor amiga e trabalhando no Caldeirão Fly by Night vendendo velas e cristais para turistas, godos e wiccanos locais.
Mas lidar com seu ex é a menor preocupação de Hannah quando um ritual aterrorizante de sangue interrompe a fogueira no final do ano escolar. Evidências de magia negra começam a aparecer em Salem, e Hannah tem certeza de que é o trabalho de uma bruxa mortal. A questão é que seu clã não está convencido, forçando Hannah a se unir à última pessoa que ela quer ver: Veronica.
Enquanto o casal tenta fumar a Bruxa de Sangue em uma festa em casa, Hannah conhece Morgan, uma linda bailarina na cidade. Mas tentar namorar em meio a uma crise sobrenatural é mais fácil falar do que fazer, e Hannah terá que testar os limites de seu poder se quiser salvar seu clã e conseguir a garota, especialmente quando os ataques às bruxas de Salem se tornam mais mortais a cada dia.
A estréia deliciosa e cheia de suspense de Isabel Sterling é um romance doce e emocionante em partes iguais. Com tudo o que ama, Hannah deve enfrentar esse vilão assassino antes que seu clã - e qualquer chance que ela tenha com a nova garota - sejam destruídos.

Espero que tenham gostado do post sobre o ocorrido, com as minhas indicações. Lembrem se #LEIACOMORGULHO e nada menos do isso. Sei que está tarde e a Bienal logo logo vai acabar, mas não parem de ler livros com temáticas assim.

Beijoss, e até a próxima!!

2 comentários:

  1. Oi, Alice!
    Esses acontecimentos me deixaram bem chateada e nervosa durante o final de semana inteiro. Fico inconformada quando esse tipo de coisa acontece. Nem parece que estamos em 2019, né? ):
    Adorei sua lista de livros e vou deixar os títulos anotados aqui, pois não li nenhum deles!
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  2. Quero muito ler Boy Erased e Um Milhão de Finais Felizes, estão na minha wishlist.
    A respeito do que aconteceu, eu fiquei com tanta raiva, pois a censura foi por nada menos que homofobia, e não "conteúdo pornográfico" como estavam falando. Sorte que no final deu tudo certo. Achei a atitude do Felipe Neto digna de aplausos, pois ele agiu contra o sistema imposto e levou muitas pessoas a protestarem com ele contra a censura na bienal.

    ResponderExcluir

Sou Alice Mendes, tenho 21 primaveras e sou Pernambucana. Aqui você encontra um pouco de tudo que eu mais amo no mundo: livros, seriados, filmes, fotografia e muito mais ;)

Busca

Facebook

Seguidores

Arquivos

Populares

Editoras Parceiras 2019

Tecnologia do Blogger.