Sorteio de Halloween


Gostosuras ou travessuras? 
O blog foi convidado pela Patricia (Nossa nova parceira) do blog Metamorfose Literária para participar do sorteio de Halloween. Para saber mais sobre o sorteio o link é este (LINK do Blog da Patrícia).

PRÊMIOS:



Preso no Amanhecer + marcadores: Metamorfose Literária
Elevador 16 (As Crônicas dos Mortos): Preguiça Literária
Kit de marcadoresNão Leia
A Grande Peça + 10 marcadores: Enjoy Books

Coração de PedraLeitora Neurótica
A Condessa de AssisPacote Literário
A Transformação de RavenPeregrinos da Noite

P.S todos os prêmios vão para apenas um ganhador.

Resenha: Érica - Por Larissa Barros Leal


AutoraLarissa Barros Leal
Editora: Novo Século
Páginas: 271
Gênero: Drama/Romance

Sinopse: Moscou. Dois jovens sobrevivem a um duplo atentado que mata quase todos os seus amigos. Cairo. Uma ONG islâmica tenta escapar de uma armadilha, arquitetada por integrantes da Ordem das Doze Tribos de Israel. Washington. Na sede da Ordem, a filha de um funcionário da Casa Branca cai em ciladas para que seu pai colabore com os radicais. Pequim. Um filho procura o pai, há meses desaparecido. Fortaleza. Em uma triste manhã, Érica encontra seus pais mortos... Nessa incrível trama, todas essas histórias se entrelaçam de forma impressionante. E somente Érica, que acaba de descobrir que foi incluída em uma lista negra da Ordem das Doze Tribos de Israel, poderá impedir uma grande desgraça planejada por judeus fundamentalistas, prestes a atingir a todos.
Uma mulher morrendo pelo trabalho árduo. Jovem vendo o povo morrer aos poucos de cansaço e fome. Todos querendo saber quando a paz irá chegar. É assim que começa o livro Érica, da autora Larissa Barros Leal, publicado pela Novo século pelo selo Talentos da literatura brasileira e que possui 2 edições já publicadas. 

Foi para isso que sobrevivemos a Hitler? Para morrermos nas mãos de muçulmanos loucos? Quando teremos paz? 
Érica mora em Fortaleza e está alegre para o seu aniversário de 15 anos, o sonho de toda adolescente está prestes a se concretizar.  Jamil está a algum tempo trabalhando em um projeto. Era a segunda vez que o Brasil sofria atentados. Katia e Ivan presenciam um duplo atentado na boate mais badalada de Moscou. Natalie e seus amigos foram sequestrados por pessoas que queriam informações de seu pai, funcionário da Casa Branca. Chang está a procura de seu pai, a meses desaparecido, achando que ele morreu ou se suicidou. Jamil é presidente de uma ONG que tem como objetivo levar o islamismo ao mundo.

O grande dia de Érica chegou, mas depois da grande festa ela recebe a notícia de que seus pais estão mortos, conversa com Derek, um agente da Europol, que conta que os culpados pela morte iriam mata-la, mas preferiram matar seus pais, e por um motivo de vingança ela decide viajar com o conhecido, assim que descobriu que faz parte da lista negra da Ordem das Doze Tribos de Israel, cujo objetivo é espalhar o judaísmo pelo mundo.

Ao fim da música, a mãe, ainda com o microfone, fez um breve discurso. O tomara que caia azul e prata realçava suas curvas. Longo, dificultava a visão do sapato, que a filha sabia ser preto com fundo azul
Esse deve ser o livro com mais personagens que eu li, no resumo eu coloquei apenas os principais para não deixar a resenha muito longa. O número de personagens atrapalha um pouco no início, quando a autora se esforça para nos envolver no universo de cada um, mas na ''Parte 2'' do livro já estamos imersos nessa trama cheia de intrigas e descobertas.

Por incrível que pareça a autora conseguiu aprofundar seus personagens, que não são poucos, em poucas páginas, fazendo com que a divisão e a leitura não fiquem cansativas, e sim melhores ainda, pois cada personagem está passando por uma situação que no decorrer da estória ira se relacionar com os outros, e é interessante acompanhar cada um e a maneira que lidam com o que está acontecendo.


Numa guerra não existem vencedores. Todos perdem... Por cada pessoa, soldado ou civil, que morre numa guerra, a humanidade perde um pouco de sua essência,e os países, parte de seu maior patrimônio... o melhor caminho é paz.
Larissa Barros Leal conseguiu mostrar o melhor e o pior do ser humano e sua fobia por religião, querendo que todos concordem com ele ao mesmo tempo que a fé os persegue, com uma narrativa fluida e envolvente, rápida e direta, que traz capítulos curtos e revelações nos momentos certos.

A religião foi muito bem apresentada, toda guerra e discórdia acontece por um querer espalhar sua religião e outro não aceitar isso ou não ser da mesma fé. O vício também é mostrado, com personagens que precisam largar a bebida e o cigarro, mas descontam neles suas incertezas e dúvidas. 
A raiva foi substituída pela determinação. Ela não deixaria que a morte dos pais fosse em vão. Faria o que não queria que fizessem: enfrentá-los.
Érica mostra pessoas lutando pela paz e reconhecimento, amores sendo descobertos e famílias sendo destruídas, as histórias se relacionam com maestria, de uma maneira que no final fiquei refletindo como não percebi tudo antes.

Não encontrei erros de revisão, achei as duas edições lindas. Uma das melhores leituras do ano, uma guerra por poder e sede de vingança, assim como personagens que precisam lidar com perdas, o universo do livro é fantástico, e ao mesmo tempo nos traz reflexões sobre como estamos lidando com a religião e querendo que os outros façam algo para satisfazer nossas vontades. Curto e maravilhoso.

8 on 8: Livros que te tiraram o fôlego

 

Oi oi gente,
Estou sumida (Eu sei), mas infelizmente vou continuar sumida por duas semanas. Estou no intensivo Enem, e não tenho tempo nem de respirar.

Mesmo sabendo que não estou com tempo, mas gostei tanto que aceitei e entrei no projeto 8 on 8 criado pelo Diogo do blog No Conforto dos Livros. O tema escolhido por ele foi livros que te tiraram o fôlego.

Eu escolhi o livro que me deu muitos sustos "O Quarto Dia" da autora Sarah Lortz. 
Sinopse: Janeiro de 2017. Após cinco dias desaparecido, o navio O Belo Sonhador é encontrado à deriva no golfo do México. Poderia ser só mais um caso de falha de comunicação e pane mecânica... Se não fosse por um detalhe: não há uma pessoa viva sequer no cruzeiro. As autoridades acham indícios de uma epidemia de norovírus, mas apenas descobrem os corpos de duas passageiras. Para piorar, todos os registros e gravações de bordo sofreram danos irreparáveis. Como milhares de pessoas podem ter sumido sem deixar rastro? Teorias da conspiração se alastram, mas só há uma certeza: 2.962 passageiros e tripulantes simplesmente desapareceram no mar do Caribe.
Esse livro não me surpreendeu muito, mas a história tem seus momentos que te tiram folego. Setecentos e trinta e três dias depois da morte da minha mãe, 45 dias após o meu pai fugir para se encontrar com uma estranha que ele conheceu pela internet, 30 dias depois de a gente se mudar para a Califórnia e apenas sete dias após começar o primeiro ano do ensino médio numa escola nova onde conheço aproximadamente ninguém, chega um e-mail. Deveria ser no mínimo esquisito, uma mensagem anônima aparecer do nada na minha caixa de entrada, assinada com o bizarro nome Alguém Ninguém. Só que nos últimos tempos a minha vida tem estado tão irreconhecível que nada mais parece chocante...
Esse livro tem uma história interessante que deixa o leitor curioso para saber como vai ser do personagem. A história é sempre contada pelos vencedores, dizem. E Nathan, infelizmente, não é um deles. Na Inglaterraem que ele vive, bruxos e humanos dividem omesmo espaço, sem, no entanto, se misturarem. Mesmoentre os bruxos, há os que se autodenominam bons, purose justos — os bruxos da Luz —, e há, é claro, seusinimigos, aqueles que devem ser combatidos e aniquilados,a origem de todo o mal — os bruxos das Sombras. Nesse mundo dividido entre mocinhos e vilões, nãoter um lado é pecado, e esse é exatamente o caso de Nathan, filho de uma bruxa da Luz com um bruxo dasSombras. É importante dizer que seu pai, Marcus, nãoé qualquer um, e sim o mais poderoso e cruel bruxo dasSombras que já existiu, acusado de ter matado a mãede Nathan e de espalhar o terror por onde passa. Vivendo com a avó e os meios-irmãos, Nathan évisto como uma aberração por seus pares e pelo Conselhodos Bruxos da Luz, que enxergam no garotouma ameaça que precisa ser ou domada ou exterminada. E as coisas só ficam mais complicadas conformeo tempo passa, já que, ao completarem dezessete anos, todos os bruxos passam por uma cerimônia emque seu dom, o poder que carregarão por toda a vida,é finalmente revelado. Nesse momento se definirá seNathan é um bruxo da Luz ou das Sombras.
E o tempo dele está se esgotando.Em Half Bad, acompanhamos a jornada errante efrenética de Nathan para encontrar o pai e, mais importante ainda, sobreviver. Mas como conseguir issoquando cada passo seu é vigiado e ninguém é confiável— nem mesmo a família, nem mesmo a garota que
você ama? Com uma narrativa vívida e dinâmica, Sally Greenconstrói uma história arrebatadora sobre intolerância,racismo e os caminhos tortuosos que todos trilhamos rumo ao amadurecimento.
Eu escolhi esse livro por ter uma história tão envolvente que fiquei sem fôlego logo nos primeiros capítulos. Emma tem 27 anos, é linda e inteligente e vive cercada de pessoas que ama. Prestes a se casar com Richard, seu namorado desde a época de escola, ela não poderia estar mais empolgada. Mas o que deveria ser o momento mais feliz de sua vida de repente vira uma tragédia. Emma sofre um acidente e é salva por um estranho minutos antes que o carro em que ela viajava explodisse. Abalada, ela decide adiar o casamento. E nesse meio-tempo descobre segredos que a fazem questionar as pessoas nas quais sempre confiara – a ponto de duvidar se deve se casar afinal. Para complicar, ela se sente cada vez mais ligada a Jack, o homem que a salvou e que não sai da sua cabeça. Jack é lindo, gentil e divertido, de um jeito diferente de todos que ela já conheceu. Por outro lado, é Richard quem ela sempre amou... Uma mulher, dois homens, tantos destinos possíveis. Como essa história vai terminar?
Esse livro foi o melhor da trilogia. Katniss conseguiu sair da arena pela segunda vez, mas, mesmo assim, ainda não está a salvo. A Capital está irritada e quer vingança e, por isso, inicia uma represália a toda a população. Numa trama tão violenta quanto psicológica, Suzanne Collins consegue provocar, em A esperança, um debate sobre a moral e os valores da guerra e as consequências das escolhas feitas por cada um dos personagens.

Ser o símbolo da revolução tem um preço alto para Katniss, que terá que decidir o quanto da sua própria humanidade e sanidade ela poderá arriscar em nome da causa, dos seus amigos e da sua família. É pela voz da protagonista, ainda mais feroz e obstinada, que a autora desafia o leitor a refletir em meio a cenas cruéis de combate. Tudo isso numa narrativa brilhante, com viradas surpreendentes que levam a um desfecho chocante e original.
Eu me coloquei no lugar da Lara Jean, e com isso meio que senti tudo que ela passou. Imagina as suas cartas serem enviadas para os seus "amores" de infância?
Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos. Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar
A autora escreveu uma trilogia surpreendente. Ambientada na República, nação instalada numa região outrora conhecida como costa oeste dos Estados Unidos e que vive em guerra contra as Colônias, a série acompanha o romance improvável entre dois jovens de origens distintas numa realidade opressora. Nascida em uma família de elite em um dos mais ricos setores da República, June é uma garota prodígio de 15 anos que está sendo preparada para o sucesso nos mais altos círculos militares da República. Nascido nas favelas, Day, de 15 anos, é o criminoso mais procurado do país; porém, suas motivações parecem não ser tão mal-intencionadas assim. De mundos diferentes, os dois não têm motivos para se cruzarem, até que o irmão de June é assassinado e Day se torna o principal suspeito. Presos num grande jogo de gato e rato, Day luta pela sobrevivência da sua família, enquanto June procura vingar a morte de Metias. Mas, em uma chocante reviravolta, os dois descobrem a verdade sobre o que realmente os uniu e sobre até onde seu país irá para manter seus segredos, numa trama de forte conteúdo político e repleta de ação, reviravoltas e romance.
Pensei que já tinha lido de tudo. Agora percebo que não, virei fã dessa trilogia. Sempre gostei de THG, mas Legend é outra coisa. June e Day já estiveram em lados opostos uma vez. Mas, depois de descobrir as medidas extremas que o governo da República é capaz de adotar para proteger alguns segredos, agora os dois jovens têm a oportunidade de lutar lado a lado contra o controle e a tirania da República e, assim, alterar para sempre o rumo da guerra entre as nações. Resta saber se estão preparados para pagar o preço que as transformações exigirão deles. Prodigy é o segundo volume da trilogia Legend, da chinesa radicada nos EUA Marie Lu, considerada pelo público e pela crítica internacional uma das melhores sagas de distopia já publicadas. Ambientada na República, nação instalada numa região outrora conhecida como costa oeste dos Estados Unidos e que vive em guerra contra as Colônias, a série acompanha o romance improvável entre dois jovens de origens distintas numa realidade opressora. 



Os blogs participantes são:
 No Conforto dos Livros (Criador do 8 on 8)   Guerra dos Livros   Cantinho Cult    Blog da Fé    Meu Amor Pelos Livros    Blog Gordinha Assumida    Banal Girl 

Sou Alice Mendes, tenho 21 primaveras e sou Pernambucana. Aqui você encontra um pouco de tudo que eu mais amo no mundo: livros, seriados, filmes, fotografia e muito mais ;)

Busca

Facebook

Seguidores

Arquivos

Populares

Editoras Parceiras 2019

Tecnologia do Blogger.